967 564 420 tania_cunha_@hotmail.com
Vulnerabilidade Psicologia

A vulnerabilidade não é boa nem é má: é a essência de todas as emoções

A vulnerabilidade não é boa nem é má: não é aquilo a que podemos designar uma emoção negra, mas tenho de reconhecer que também não é uma experiencia leve.

Arriscar-me-ia a assumir que a vulnerabilidade é a essência de todas as emoções e sentimentos. Sentir é ser vulnerável. Acreditar que a vulnerabilidade é fraqueza é acreditar que sentir é fraqueza.

Com alguma frequência, rejeitamos a vulnerabilidade porque a associamos a emoções difíceis como o medo, a tristeza, o sofrimento profundo ou mesmo a vergonha. Estas são emoções que tantas e tantas vezes nos damos conta que não queremos abraçar, ainda que condicionem o modo como nos posicionamos no mundo. Sei que é difícil acreditar, mas a investigação refere que a vulnerabilidade é o berço do amor, da pertença, da empatia, da alegria, da criatividade e da coragem.

Os medos profundos que temos de estar errados, de sermos desconsiderados e de nos sentirmos inferiores são parâmetros que nos bloqueiam a correr os riscos necessários para impulsionarmos a nossa vida no caminho que queremos percorrer.

Para uma vida plena, é crucial sermos capazes de navegar entre as desilusões difíceis, os sentimentos feridos e os desgostos inevitáveis. Mas também é essencial:

  • Cultivar a calma e a tranquilidade: libertando-se da ansiedade enquanto estilo de vida.
  • Aprender a ser autêntico: reposicionando o que os outros pensam.
  • Ser criativo: descartando a necessidade da comparação.
  • Permitir-se viver o lazer e o descanso: não dando espaço à exaustão enquanto símbolo de estatuto e produtividade enquanto auto-estima.
  • Diga não ao perfeccionismo: libertando a ideia de “ter tudo sob controlo” e da necessidade de certeza.

Vulnerabilize-se, atreva-se a ser FELIZ!